Google+ Followers

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

CEM ANOS DE JORGE AMADO 10/08/2012

    
 Hoje é dia de festa no mundo da Literatura: há exatos 100 anos, nascia na cidade de Itabuna o escritor Jorge Amado. O baiano  escreveu clássicos que ultrapassam gerações, como “Gabriela, Cravo e Canela”, “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, “Tenda dos Milagres”, entre outros. Narrador de histórias da antiga Bahia, Jorge foi adaptado para a televisão, o teatro e o cinema e teve seus livros traduzidos em mais de 50 idiomas.
    Jorge Amado é o escritor brasileiro com maior número de obras adaptadas para o audiovisual. Sua parceria com a sétima arte teve início em 1948, quando sua obra Terras sem fim ganhou as telas com a adaptação intitulada Terra Violenta, protagonizada por Anselmo Duarte.
      Cem anos depois do nascimento, onze anos após a sua morte, Jorge Amado é um dos autores brasileiros mais vendidos de sempre (apenas ultrapassado por Paulo Coelho) e também dos mais admirados pelos leitores de hoje: num estudo publicado em março pelo Instituto Pró-Livro, do Brasil, Amado aparece em terceiro lugar, a seguir a Monteiro Lobato (de O Sítio do Picapau Amarelo) e a Paulo Coelho, e à frente de nomes como Machado de Assis, Vinicius de Moraes, Cecília Meireles, Guimarães Rosa e Carlos Drummond de Andrade. 

domingo, 5 de agosto de 2012

REDAÇÃO DE CAETANO VELOSO

Redação do aluno Caetano Emanuel Viana Telles Veloso, em 03 de julho de 1959 (aos 17 anos)
Publicado no facebook por  Juliano Nascimento

sábado, 4 de agosto de 2012

TUDO QUE VICIA COMEÇA COM C



   
Por alguma razão que ainda desconheço, minha mente foi tomada por uma ideia um tanto sinistra: vícios.
    Refleti sobre todos os vícios que corrompem a humanidade. Pensei, pensei e,de repente, um insight: tudo que vicia começa com a letra C!
    De drogas leves a pesadas, bebidas, comidas ou diversões, percebi que todo vício curiosamente iniciava com .
Inicialmente, lembrei do cigarro que causa mais dependência que muita droga pesada. Cigarro vicia e começa com a letra c. Depois, lembrei das drogas pesadas: cocaína, crack e maconha. Vale lembrar que maconha é apenas o apelido da cannabis sativa que também começa com .
    Entre as bebidas super populares há a cachaça, a cerveja e o café. Os gaúchos até abrem mão do vício matinal do café mas não deixam de tomar seu chimarrão que também - adivinha - começa com a letra c.
    Refletindo sobre este padrão, cheguei à resposta da questão que por anos atormentou minha vida: por que a Coca-Cola vicia e a Pepsi não? Tendo fórmulas e sabores praticamente idênticos, deveria haver alguma explicação para este fenômeno. Naquele dia, meu insight finalmente revelara a resposta. É que a                  Coca tem dois cês no nome enquanto a Pepsi não tem nenhum.
Impressionante, hein?
    E o computador, o chocolate e o celular ? Estes dispensam comentários. Os vícios alimentares conhecemos aos montes, principalmente daqueles alimentos carregados com sal e açúcar. Sal é cloreto de sódio. E o açúcar que vicia é aquele extraído da cana.
    Nesta altura, você pode estar pensando: sexo vicia e não começa com a letra C. Pois você está redondamente enganado. Sexo não tem esta qualidade porque denota simplesmente a conformação orgânica que permite distinguir o homem da mulher. O que vicia é o "ato sexual", e este é denominado coito.
    Pois é. Coincidências ou não, tudo que vicia começa com . Mas atenção: nem tudo que começa com cê vicia. Se fosse assim, estaríamos salvos pois a humanidade seria viciada em Cultura.
Luiz Fernando Veríssimo

CURIOSIDADES


Você sabia que:

1) A Academia Brasileira de Letras foi fundada em 20 de julho de 1897, e é composta por 40 membros efetivos e perpétuos, eleitos em votação secreta e 20 sócios correspondentes estrangeiros. Seu primeiro presidente foi Machado de Assis. A primeira mulher admitida foi Rachel de Queiroz, em 1977. Esta instituição foi a primeira academia do mundo a eleger uma mulher para a Presidência (Nélida Pinõn, em 1995)

2) Monteiro Lobato é o autor da frase “um país é feito de homens e livros”. O escritor revolucionou o mercado literário em uma época em que o Brasil tinha poucas livrarias: Seus livros eram vendidos em mercearias, armazéns e farmácias, fomentando de maneira criativa a cultura em nosso país.

3) O primeiro acidente de automóvel no Brasil foi causado pelo poeta Olavo Bilac. Ele bateu numa árvore em 1897.

4) Carlos Drummond de Andrade foi expulso do Colégio Anchieta, após um desentendimento com o professor de português, que alegou “insubordinação mental”.

5) Jorge Amado teve seus livros publicados em 52 países e traduzidos para 48 idiomas. Em uma ocasião, o escritor somente autorizaria a adaptação de seu romance “Gabriela” para a Televisão, desde que o papel principal fosse dado a Sônia Braga. Quando foi indagado pelo motivo, o escritor respondeu: "O motivo é simples: nós somos amantes." (até então, eles nem se conheciam).

6) Até o século XI, as pessoas escreviam a mão livre, usando penas de animais e tintas vegetais.

7) Clarice Lispector tinha uma personalidade extremamente objetiva. Costumava dizer que escrevia simples, sem enfeitar. Também era comum sair de jantares, antes de a comida ser servida.

8) Cecília Meireles tinha um grande desejo de conhecer Fernando Pessoa, de quem havia se tornado admiradora. Em uma de suas viagens a Portugal, conseguiu marcar um encontro com o poeta no café “A Brasileira”, ao meio dia. Cecília esperou em vão por duas horas. Quando retornou ao hotel, recebeu um livro autografado e a explicação: Fernando Pessoa tinha lido seu horóscopo e aquele não era um bom dia para o encontro.

9) Virginia Woolf, Goethe e Hemingway tinham o hábito de escrever em pé.

10) José Lins do Rego era fanático por futebol. Chegou a ocupar um cargo na diretoria do Flamengo, no Rio de Janeiro. Nelson Rodrigues, outro fanático por futebol, afirmou uma vez que “O videoteipe é burro”, quando ficou provado pênalti contra o seu Fluminense.

11) Manuel Bandeira sempre relatou um encontro fictício com Machado de Assis, aos dez anos, em que recitou uma parte do poema “Os Lusíadas” que o mestre não lembrava. Anos mais tarde, confessou que havia inventado a polêmica, somente para se destacar.
12) O antropólogo Lévi-Strauss costumava ter ciúmes de Mário de Andrade, que era muito amigo de sua mulher, Dina. Só depois da morte do poeta, se descobriu que ele era homossexual.

13) A Bíblia é o livro mais vendido no mundo. Em segundo lugar vem o Guinness World Book of Records

14) Fernando Pessoa levava seus heterônimos a sério. Em uma ocasião ele compareceu bastante atrasado a um encontro com José Regio, escritor português, declarando ser Álvaro de Campos, e que Pessoa não pôde ir ao encontro.

15) O primeiro romance do mundo foi escrito em 1007 por uma mulher, Murasaki Shibiku, "A história de Genji", conta a história de um príncipe que procura amor e sabedoria.

16) 23 de abril, dia de São Jorge, é comemorado o dia mundial do Livro, por iniciativa da UNESCO. A data foi escolhida em razão de uma tradição catalã, onde os cavaleiros oferecem uma rosa vermelha de São Jorge às suas damas, e recebem um livro delas.

17) José Carlos Ryoki de Alpoim Inoue, de 59 anos, deixou a medicina para se dedicar à carreira de escritor, e já publicou mais de mil livros, tornando-se recordista mundial. O autor escreve histórias policiais, românticas e de ficção. A altíssima produtividade não visava figurar no Guinness Book, mas somente garantir seu sustento, considerando as baixas quantias que recebia, ele precisava escrever muito. Ryoki chegou a dominar 95% do mercado de pocket books no Brasil.

18) Barbara Cartland é outra recordista. Ela escreveu mais de 700 romances, que venderam um bilhão de cópias. Barbara escrevia um livro a cada duas semanas.

19) J.K. Rowling escreveu todos os livros do Harry Potter à mão.

20) Onze Minutos, de Paulo Coelho foi o livro mais vendido do mundo em 2003.

21) Há muitos anos, um imortal da Academia Mineira de Letras, reclamava do Jeton de 200 cruzeiros, que ele considerava muito pequeno.
— Precisamos dar um jeito nisso! Duzentos cruzeiros é uma vergonha! Ou quinhentos cruzeiros, ou nada!
Prontamente, um colega prudentemente reagiu:
— Pera lá: ou quinhentos cruzeiros, ou duzentos mesmo.


Fonte: Eu amo ler 

quarta-feira, 1 de agosto de 2012