Google+ Followers

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Frases de William Shakespeare




Lutar pelo amor é bom,
 mas alcançá-lo sem luta é melhor.


Nossas dúvidas são traidoras
 e nos fazem perder o que,
com freqüência,
 poderíamos ganhar,
 por simples medo de arriscar.


Ser grande,
 é abraçar
uma grande causa.

William Shakespeare


    Shakespeare é considerado o mais importante dramaturgo e esc...ritor de todos os tempos. Seus textos literários são verdadeiras obras de arte e permaneceram vivas até os dias de hoje, onde são retratadas frequentemente pelo teatro, televisão, cinema e literatura.
     Nasceu em 23 de Abril de 1554, na pequena cidade inglesa de Stratford-Avon. Nesta região começa seus estudos e já demonstra grande interesse pela literatura e pela escrita. Com 18 anos de idade casou-se com Anne Hathaway e, com ela, teve três filhos. No ano de 1591 foi morar na cidade de Londres, em busca de oportunidades na área cultural. Começa escrever sua primeira peça, Comédia dos Erros, no ano de 1590 e termina quatro anos depois. Nesta época escreveu aproximadamente 150 sonetos.
     Embora seus sonetos sejam até hoje considerados os mais lindos de todos os tempos, foi na dramaturgia que ganhou destaque. No ano de 1594, entrou para a Companhia de Teatro de Lord Chamberlain, que possuía um excelente teatro em Londres. Neste período, o contexto histórico favorecia o desenvolvimento cultural e artístico, pois a Inglaterra vivia os tempos de ouro sob o reinado da rainha Elisabeth I. O teatro deste período, conhecido como teatro elisabetano, foi de grande importância. Escreveu tragédias, dramas históricos e comédias que marcam até os dias de hoje o cenário teatral.
     Os textos de Shakespeare fizeram e ainda fazem sucesso, pois tratam de temas próprios dos seres humanos, independente do tempo histórico. Amor, relacionamentos afectivos, sentimentos, questões sociais, temas políticos e outros assuntos, relacionados a condição humana, são constantes nas obras deste escritor.
     Em 1610 retornou para Stratford, sua cidade natal, local onde escreveu sua última peça, A Tempestade, terminada somente em 1613. Em 23 de Abril de 1616 faleceu o maior dramaturgo de todos os tempos.

Principais obras:

Comédias: O Mercador de Veneza, Sonho de uma noite de verão, A Comédia dos Erros, Os dois fidalgos de Verona, Muito barulho por coisa nenhuma, Noite de reis, Medida por medida, Conto do Inverno, Cimbelino, Megera Domada e A Tempestade..

Tragédias: Tito Andrônico, Romeu e Julieta, Julio César, Macbeth, António e Cleópatra, Coriolano, Timon de Atenas, O Rei Lear, Otelo e Hamlet.

Dramas Históricos: Henrique IV, Ricardo III, Henrique V, Henrique VIII.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL



Mais um ano  finaliza e com ele muitas lembranças, muitas histórias para contar,
muitos sonhos realizados, outros que ficaram por realizar. Esta é a dinâmica da vida, e nesta imensa luz vamos vivendo e aprendendo a cada dia uns com os outros, nos engrandecendo como ser humano.
Cada ano parece que passa mais rápido. E quando a gente se dá conta, chegou
o Natal outra vez, com toda aquela correria e alegria. E no meio de tantas coisas, não posso esquecer de agradecer por tudo que recebi de vocês e lembrar o verdadeiro significado desta época: Renovação, Alegria e Esperança de um Ano Novo ainda melhor!
A cada ano mudamos um pouco, evoluímos, tendo a certeza de que a vida e o
mundo serão melhores. E por isso, não podia ser diferente!
Feliz Natal e todos juntos em 2012!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

À MOSTRA, MOSTRA E AMOSTRA



A locução “à mostra” significa “visível, patente”.
 Ex.: Ela está com os seios à mostra.
 As locuções adverbiais femininas devem receber o acento indicativo da crase: à toa, às claras, às pressas, à vista, à tarde, às vezes, à mão, à deriva, à beça, à tona…
Amostra pode ser o “ato ou efeito de amostrar (-se), pequena porção de alguma coisa, fragmento representativo de algo ou exemplo perfeito, completo”:
Ex:“Ganhou uma amostra do perfume”
    “Estes versos são uma amostra do talento do poeta”
      “Ele é uma amostra notável de um grande anfitrião”.
Você sabia que mostra e amostra podem ser sinônimos?
Podemos dizer: “Isto é apenas uma mostra (ou uma amostra) do seu trabalho”
 EX.:“Visitamos uma mostra (ou amostra) de fotografia”.
E você sabia que o verbo amostrar também existe? Que é uma forma variante do verbo mostrar? Sem dúvida, a forma mais utilizada por nós é o verbo mostrar. A variante amostrar parece errada ou inexistente, mas existe e não está errada. É apenas uma forma menos usual e mais característica da linguagem popular.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

PROCLAMAÇÀO DA REPÚBLICA - CURIOSIDES


      Até o ano de 1889 o Brasil era governado por um imperador, D. Pedro II. Porém, os brasileiros republicanos achavam que a monarquia afastava o Brasil de todos os povos do Novo Mundo que viviam sob o regime republicano. Assim, pretendiam a República.
      Muitos queriam a proclamação da República só depois da morte de D. Pedro II, pois com ela um estrangeiro tomaria parte no governo: o francês Gastão d'Orléans, Conde d'EU, casado com a herdeira do trono, a Princesa Isabel.
     O movimento republicano não conseguiu, de início, despertar o interesse do povo, pois esse queria muito bem a D. Pedro II e não desejava vê-lo deposto.
Até a véspera da Proclamação da República, o Marechal Deodoro da Fonseca, apesar de descontente com o ministério, permaneceu ao lado do imperador, pois era muito amigo e o estimava demais para vê-lo perder o trono.
     Os republicanos haviam marcado uma revolta para a noite de 20 de novembro. Mas o major Sólon Ribeiro, receando que o governo, sabendo da revolta, pudesse organizar boa defesa, no dia 14 de novembro espalhou a falsa notícia de que o ministério havia mandado prender Deodoro e Benjamim Constant. O mesmo major combinou com seus companheiros, que se encontravam em São Cristóvão, que na manhã de 15 de novembro seguiriam para o centro da cidade
.
     Ao proclamar a República no dia 15 de novembro de 1989, o Marechal Deodoro da Fonseca, de 62 anos, estava com um ataque de dispnéia. Foi tirado da cama no meio da noite, por amigos, para comandar o cerco ao Ministério. Foi sem espada porque o seu ventre estava muito dolorido. Montou o cavalo baio número 6 que lhe fora emprestado pelo alfares Barbosa Júnior. Deodoro havia decidido apoiar os republicanos 4 dias antes.
     Quando passou pelo portão do Ministério da Guerra, no Campo de Santana, Deodoro acenou com um quepe e ordenou às tropas formadas:  Apresentar armas. Toquem o hino”. As tropas se perfilaram e ouviram-se os acordes do Hino Nacional. Estava proclamado a república.
    Não houve derramamento de sangue durante a Proclamação da Republica. O único que se feriu foi o ministro da Marinha José da Costa Azevedo, que reagiu a voz de prisão. 
      O período da História do Brasil conhecido como Nova República teve início em 1985, com o fim da Ditadura Militar e início do processo de redemocratização.    
      Este período da História do Brasil dura até os dias atuais. 
      A palavra República tem origem no latim res publica,cujo significado é "coisa pública

SOU UM PROFESSOR


SOU UM PROFESSOR QUE PENSA...
Pensa em sair correndo toda vez que é convocado para uma reunião, que certamente me responsabilizará mais uma vez, pelo insucesso do aluno.

SOU UM PROFESSOR QUE LUTA...
Luta dentro da sala de aula, com os alunos, para que eles não matem uns aos outros.
Que luta contra seus próprios princípios de educação, ética e moral.

SOU UM PROFESSOR QUE COMPREENDE....
Compreende que não vale a pena lutar contra as regras do sistema, ele é sempre o lado mais forte.

SOU UM PROFESSOR QUE CRITICA...
Critica a si mesmo por estar fazendo o papel de vários outros profissionais como: psicólogo, médico, assistente social, mas não consegue fazer o próprio papel que é o de ensinar.

SOU UM PROFESSOR QUE TEM ESPERANÇA,
E espera que a qualquer momento chegue um "estranho" que nunca entrou em uma sala de aula, impondo o modo de ensinar e avaliar.

SOU UM PROFESSOR QUE SONHA...
SONHA COM UM ALUNO INTERESSADO,
SONHA COM PAIS RESPONSÁVEIS,
SONHA COM UM SALÁRIO MELHOR, UM MUNDO MELHOR.
ENFIM, SOU UM PROFESSOR QUE REPRESENTA...

Representa a classe mais desprestigiada e discriminada, e que é incentivada a trabalhar só pelo amor à profissão.
Representa um palhaço para os alunos.
Representa o fantoche nas mãos do sistema concordando com as falsas metodologias de ensino.
E esse professor, que não sou eu mesmo, mas é uma outra pessoa, representa tão bem, que só não trabalha como ator, porque já é PROFESSOR e não dá para conciliar as duas coisas.

Recebi esse texto da minha colega de profissão Evileide Leal.
Reflitamos sobre o seu conteúdo. 
Ele foi escrito por uma pessoa muito inteligente mas infelizmente não  foi lhe dado o crédito.
Quem souber o nome do autor, favor, entrar em contato para que seja divulgado.


 










domingo, 30 de outubro de 2011

31/10 - DIA DO POETA CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE



Carlos Drummond de Andrade ganha dia em sua homenagem na segunda (31/10)
      Projeto do Instituto Moreira Salles celebra o Dia D, amanhã, 31 outubro de 2011 quando Carlos Drummond de Andrade completaria 109 anos. A proposta é criar data especial em homenagem ao poeta.

 ALGUMAS CURIOSIDADES SOBRE O AUTOR

Ø  Carlos Drummond de Andrade nasceu na cidade de Itabira do Mato de Dentro, em Minas Gerais. Criado sob rígida educação católica, o primeiro colégio que o poeta estudou foi o Grupo Escolar Coronel José Batista.
Ø  Aos 13 anos Drummond foi convidado para dar palestras no Grêmio dramático e Literário Artur de Azevedo.
Ø  Em 1918, o poeta foi matriculado no internato Anchieta, da Companhia de Jesus, na cidade de Nova Friburgo, mas foi expulso aos 17 anos porque se desentendeu com o seu professor de português. Nesta época, o poeta era conhecido como “general” por causa de seu jeito altivo.
Ø  Em 1920 a família dele mudou-se para Belo Horizonte. Os primeiros trabalhos do poeta começaram a ser publicados no jornal Diário de Minas na seção “Sociais”. A vida na capital mineira permitiu que ele conhecesse escritores e políticos que freqüentavam a Livraria Alves e o Café Estrela.
Ø  Quando já morava em Belo Horizonte havia dois anos, o conto “Joaquim no Telhado” rendeu ao poeta um prêmio de 50 mil-reis. Passou a publicar seus trabalhos também no rio de Janeiro.
Ø  EM 1923, o poeta resolveu fazer uma faculdade e se matriculou Escola de Odontologia e Farmácia em Belo Horizonte.
Ø  Os primeiros contatos entre Drummond e os modernistas aconteceram em 1924. Conheceu os poetas Mário de Andrade e Oswald de Andrade e a pintora Tarsila do Amaral.
Ø  Drummond se casou com Dolores Duarte de Morais em 1925 e voltou para Itabira, onde passou a dar aulas de Geografia e Português no Ginásio Sul-americano.
Ø  A revista Antropofagia, de São Paulo, publicou seu poema “No meio do caminho”, que se transformou em um escândalo literário. Drummond foi um dos ativistas da semana de 22. Passado muitos anos, mais maduro, firmou que, embora o movimento tenha sido importante para a literatura nacional, “permitiu que todo mundo que não sabia escrever, escrevesse”.
Ø  Sua única filha, Maria Julieta, nasceu em 1928. Drummond atuou na Secretaria de educação de Minas Gerais e ocupou diversos cargos ligados à educação e à cultura tanto em Minas como no Rio de Janeiro.
Ø  O poeta, que sempre fez questão de levar uma vida reclusa, começou a dar entrevistas só em 1984, mostrando-se uma pessoa afável e melancólica. Já velho e magrinho, costumava caminhar todas as tardes pela praia de Copacabana, no Rio de Janeiro.
Ø  Dias antes de morrer, Drummond disse a sua médica, Elizabete Viana de Freitas:
Ø  “Ah, Elizabete, eu sei que você não pode, mas o que eu queria mesmo era um infarto fulminante”.  
Ø  O poeta morreu no dia 17 de agosto de 1987, de problemas cardíacos, 12 dias depois da morte de sua filha Maria Julieta. Ela tinha 59 anos e passou dois anos lutando contra um câncer. Pai e filha chegaram a travar uma disputa verbal para ver quem morreria antes, de forma que o primeiro não sofresse com a perda do outro. No velório de  Maria Julieta, Drummond disse a um amigo: Isto não está certo, ela deveria ficar para fechar os meus olhos.
Ø  Drummond era agnóstico e pediu que nenhuma homenagem ou oração fossem feitas em seu sepultamento. Também não queria cruz ou símbolos religiosos . Seu enterro, realizado no cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro, reuniu cerca de 880 pessoas, entre amigos, parentes, artistas, políticos e fãs. Seu corpo foi enterrado ao lado da filha.
Ø  O ano de 2012 vai marcar os 110 anos de nascimento de Carlos Drummond de Andrade e os 25 de sua morte, datas que prometem uma série de novidades. O poeta vai ganhar casa nova, ou seja, depois de 27 anos tendo seus livros publicados pela Record, a Companhia das Letras começa a reeditar toda a obra do escritor, com novo projeto gráfico e conselho editorial próprio. Drummond também será homenageado em Paraty, já que será o tema da Flip do próximo ano.

(TEXTO ADAPTADO  DE  O GUIA DOS CURIOSOS - Marcelo Duarte)

sábado, 29 de outubro de 2011

DIA NACIONAL DO LIVRO

 
 
O Dia Nacional do livro comemora a fundação da Biblioteca Nacional, que nasceu com a transferência da Real Biblioteca portuguesa para o Brasil. O acervo tinha 60 mil peças, entre livros, manuscritos, mapas, moedas, medalhas etc. tudo acomodado nas salas do Hopital da Ordem Terceira do Carmo. Em 29 de outubro de 1810, a biblioteca foi transferida, e essa passou a ser a data oficial de sua fundação.... Até o ano de 1814, os estudiosos precisavam de autoriazação prévia para consultá-la.
A proposta hoje é tirar uns momentos para resgatar o registro emocional que ficou em você de um livro que tenha lido, não importa quando.
Tenho uma lista dos meus resgates:
Ensaio sobre a cegueira de José Saramago
Mentiras no divâ de Irvin D. Yalom
Noites do Sertão de João Guimarães Rosa
Perdas & Ganhos de Lya Luft
Pelo amor ou pela dor de Rick Medeiros
O Código de Vinci De Brown 

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

DE OLHO NO ACORDO ORTOGRÁFICO





"A língua é a única ferramenta que fica mais afiada com o uso.”
(Washington Irving. In: Revista LP, ano II, nº 14)


     Em 2012, entrará em vigor o novo acordo ortográfico no sistema educativo português, ou seja, algumas palavras passarão a ser escritas de forma diferente. Os novos manuais já contemplam o novo acordo, bem como os livros editados recentemente por isso, torna-se necessário que você fique de olho nas novas regras de acentuação.
Vejamos:

      As palavras paroxítonas (aquelas cujas sílabas pronunciada com maior intensidade é a penúltima) em que aparecem os ditongos abertos ei e oi não são mais acentuadas:
 Como era: boléia, heróico, idéia, bóia, estréia,  jóia, jibóia assembleia
Como fica: boleia, heroico, ideia, boia, estréia, jóia, jibóia, assembléia
     O hiato OO não mais recebe acento circunflexo:
Como era: perdôo, vôo, enjôos
Como ficou: perdoo, voo, enjoos
    Vale ressaltar: O acento agudo dos ditongos abertos ÉI e ÓI só desapareceu nas   palavras paroxítonas. As oxítonas (incluindo-se aí os monossílabos tônicos terminados em ÉI, ÉU e ÓI) continuam recebendo acento gráfico.
Exemplos: papéis, céu herói.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

27/10 Aniversário de Maurício de Sousa


     Mauricio de Sousa é sem sombra de dúvida o maior cartunista brasileiro voltado para o mundo infanto-juvenil, mas que agrada também os adultos e criador da famosa "Turma da Mônica"
    Nascido no dia 27 de outubro de 1935, em Santa Isabel, São Paulo, filho do barbeiro Antônio Mauricio de Sousa e da poetisa Petronilha Araújo de Sousa e deve ter herdado de sua mãe o gosto pela arte.
     Quando menino, na cidade de Mogi das Cruzes, próxima a São Paulo, Mauricio de Sousa vivia como as outras crianças: morava numa casa sem muros, andava descalço, jogava futebol no campinho, saía com o cachorro, brincava de pular corda, de fantasiar e viver aventuras. O tempo passou, e o menino deu um jeito de manter intacto o mundo à sua volta, recriando o cenário da infância nas páginas dos quadrinhos. Suas histórias parecem simples, cotidianas, corriqueiras. E são mesmo. Tão simples que podem ser entendidas por qualquer um que já foi criança um dia. Catalão, javanês, grego, coreano, alemão, francês e italiano são algumas das línguas em que as histórias da Turma da Mônica já foram publicadas.
     A primeira revista inspirada na filha primogênita de Mauricio saiu em português mesmo, em 1970. Quem era criança, na época, já cresceu.Mas,“por nostalgia ou por gostar da linguagem simples e direta dos gibis”,muitos continuam a acompanhar a turma. Talvez isso explique por que boa parte de seus leitores de hoje são adultos.Mauricio trabalhou em rádio, deu aulas de canto e dança, foi repórter policial, fez tiras de jornal para ajudar no orçamento familiar e depois se tornou o mais popular quadrinista do país.Mas diz que ainda se parece com o menino do interior. No ano em que a Turma da Mônica chega a seu 35o aniversário, suas histórias nos levam a crer que ainda há tempo para observar a vida e desfrutar pequenas felicidades.


quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Uso da Cedilha

 
 
 
 
Uma aulinha para aqueles que têm o hábito de escrever VOCÊ com Ç. Há um número enorme por aqui, inclusive jornalistas.
 
 Uso da Cedilha (ç)

 Cedilha é um sinal que se coloca na letra C antes de: a, o ,u ou seja ça, ço, çu.
 A cedilha dá ao C o som de SS.
 Exemplos: laço,carroça,Iguaçú.

 Emprego da cedilha

 Colocamos a cedilha debaixo do C pra lhe dar o som de S inicial. Observe ...os exemplos: criança- moço- pontuação- almoço- açúcar- caça.
Atençao: Não se usa cedilha em ce, ci, nem no início das palavras.
 Exemplos: cinco - circo- centro cenoura.
Só se usa cedilha em ça, ço, çu.

 Conclusão: Na palavra VOCÊ não existe cedilha.

sábado, 22 de outubro de 2011

Por que existem vários jeitos de escrever "por quê"?

    
    
      No latim classico havia duas palavras: "quare" para perguntar e "quia" para responder. Mas, em português, prevaleceu a expressão do latim vulgar, pro quid, que passou a exercer dupla jornada em perguntas e respostas. "Para diferenciar, alguém teve a ideia de escrever um junto e o outro separado", explica Caetano Galindo, linguista da Universidade Federal do Paraná. Os registros mais antigos dessa distinção são do século 13, mas, em 1500, Pero Vaz de Caminha ainda se atrapalhava na carta do descobrimento.
     De um modo geral, os porquês devem ser usados assim:

     POR QUE separado e sem acento quando introduz perguntas e quando substitui "qual motivo" e "qual razão":
     Por que vai sair mais cedo?

     PORQUE junto e sem acento é o das respostas. Pode ser substituído por "pois":
     Porque tenho um compromisso.

    POR QUÊ separado e com acento é usado quando o "que" é tônico, o que fica mais claro quando ele está proximo de um sinal de pontuação.
      Você vai sair mais cedo por quê?

     PORQUÊ junto e com acento é substantivo e equivale a "motivo", "razão".
      Quero saber o porquê de você sair mais cedo.

PARA DESCONTRAIR

EM TEMPOS DE ENEM

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

20/10 DIA DO POETA



    Todos nós temos sentimentos e emoções, portanto o potencial para sermos poetas não nos falta. O que precisamos é exercitar a arte de trabalhar as palavras.
     Poeta é aquele que faz versos, que escreve poesias.
    A poesia, ou gênero lírico, ou lírica é uma das sete artes tradicionais, uma forma de linguagem. A poesia é uma linguagem verbal criativa. Uma arte de escrever em versos. Uma forma de se expressar e transmitir sentimentos, emoções e pensamentos.
    Antigamente, as poesias eram cantadas, acompanhadas pela lira, um instrumento musical muito comum na Grécia antiga. Por isto, diz-se que a poesia pertence ao gênero lírico.
  •   Olavo Bilac
  •   Elias José
  •   Oswald de Andrade
  •   Cora Coralina
  •   Carlos Drummond de Andrade
  •   Cecílía Meireles
  •   Manuel Bandeira
  •   Fernando Pessoa
  •   Vinícius de Morais
  •    Mário Quintana
Segue uma linda definição sobre o poeta pelo grandioso Fernando Pessoa:
O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
 Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
 E os que lêem o que escreve
Na dor lida sentem bem
Não as duas que ele teve
 Mas só as que ele não têm
E assim nas calhas de roda
 Gira, a entreter a razão
 Esse comboio de corda
Que se chama coração.
Fernando Pessoa

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

O PROFESSOR

15 DE OUTUBRO - DIA DO PROFESSOR



Professor, "sois o sal da terra e a luz do mundo".
Sem vós tudo seria baço e a terra escura.
Professor, faze da tua cadeira
a cátédra de um emstre.
Se souberes elevar teu magistério,
ele te elevará a magnificência;
Tu és um jovem, sê, com o tempo e a competência,
um excelente mestre.

Meu jovem professor que ensina e quem mais aprende?
O professor ou o aluno?
De quem maior responsabilidade na classe,
do professor ou do aluno?
Professor, ser um mestre. Há uma diferença sutil
entre este e aquele.
Este leciona e vai prestes a outros afazeres.
Aquele mestreia e ajuda seus discípulos.
O professor tem uma tabela a quem se apega.
O mestre exerce qualquer tabela e é sempre um mestre.

Feliz é o professor que aprende ensinando.
A criatura humana pode ter qualidades e faculdades.
Podemos aperfeiçoar as duas.
A mais importante faculdade de quem ensina
é a sua ascedência sobre a classe.
Ascendência é uma irradiação magnédica, dominadora
que se impõe sem palavras ou gestos,
sem criar atritos, ordem e aproveitamento.

É uma força sensível que emana da personalidade
e a faz querida e respeitada, aceita.
Pode ser consciente, pode ser desenvolvida na escola,
no lar, no trabalho e na sociedade.
um poder condutor sobre o auditório, filhos dependentes, alunos.
É tranquila e atuante. É um alto comando obscuro
e sempre presente. É a marca dos líderes.

A estrada da vida é uma reta marcada de encruzilhadas.
Caminhos certos e errados, encontros e desencontros
do começo ao fim.
Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.
O melhor professor nem sempre é o de mais saber,
é sim aquele que, modesto, tem a faculdade de transferir
e manter o respeito e disciplina da classe.

CORALINA, Cora. Vintém de Cobre - Meias coffisões de Aninha. São Paulo: Global, 1997

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

TROPEÇOS DA INTELIGÊNCIA

      Há a história dos dois ursos que caíram numa armadilha e foram levados para um circo. Um deles, com certeza mais inteligente que o outro, aprendeu logo a se equilibrar na bola e a andar no monociclo, o seu retrato começou a aparecer em cartazes e todo o mundo batia palmas: "Como é inteligente". O outro, burro, ficava amuado num canto, e por mais que o treinador fizesse promessas e ameaças, não dava sinais de entender. Chamaram o psicologo do circo e o diagnostico veio rápido: "É inútil insistir. O Q.I é muito baixo..."
      Ficou abandonado num canto, sem retratos e sem aplausos, urso burro, sem serventia... O tempo passou. Veio a crise economica e o circo foi à falência. Concluíram que a coisa mais caridosa que se poderia fazer aos animais era devolvê-los às florestas de onde haviam sido tirados. E, assim, os dois ursos fizeram a longa viagem de volta.
      Estranho que em meio à viagem o urso tido por burro parece ter acordado da letargia, como se ele estivesse reconhecendo lugares velhos, odores familiares, enquanto seu amigo de Q.I alto brincava tristemente com a bola, último presente. Finalmente, chegaram e foram soltos. O urso burro sorriu, com aquele sorriso que os ursos entendem, deu um urro de prazer e abraçou aquele mundo lindo de que nunca esquecera. O urso inteligente subiu na sua bola e começou o número que sabia tão bem. Era só o que sabia fazer. Foi então que ele entendeu, em meio às memórias de gritos de crianças, cheiro de pipoca, música de banda, saltos de trapezistas e peixes mortos servidos na boca, que há uma inteligência que é boa para circo. O problema é que ela não presta para viver.
 
Rubem Alves

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

INTERPRETAÇÂO DE TEXTO

     Interpretar corretamente um texto é uma competência que poucos têm. O Twitter, Facebook, Orkut e tantos outros contextos já mostraram que é cada vez mais difícil achar quem consiga ir além da superfície do texto.
     Veja um exemplo nesta charge.


 De: Análise de textos

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

FALSIDADE

 


Eu vou bem
no pais do
tapinhas nas costas
"Tudo bem!"
"Tudo joia!"
Assim sorrimos também aqui
Pela vida afora
E viramos para o outro
nossas costas ensolaradas.

SEJA PROFESSOR

   Ser professor é socializar o saber, é construir, juntamente com o discente, um conhecimento que valorize o meio em que atua.
Por isso, destacar-se-ão 7 motivos para incentivar cada vez mais pessoas destemidas e comprometidas, a ingressar nessa brilhante carreira.
Leia-os com atenção e anote todos os detalhes:
1. Estude muito e leia bastante, principalmente a vida de São Francisco de Assis; lembre-se de que você também terá que fazer um voto eterno de pobreza.

2. Prepare-se para manejar certos instrumentos, como o giz e o apagador. Para tal, orientamos o personal stylest de Michael Jackson; você precisará de luva e máscara durante as aulas.

3. Manter-se em forma não será problema para você com o corre-corre de uma escola para outra, você estará evitando o sedentarismo, com o salário que receberá, não precisará fazer regime e caso precise complementar a cesta básica do mês, você ainda pode ter o privilégio de usar o TÍCKET DE 4 REAIS...

4. O educador é o único que pode acumular cargos além de ministrar aulas em 3 ou 4 colégios/faculdades/universidades diferentes, ainda sobra tempo para ser sacoleiro, levando para as escolas os últimos lançamentos do Paraguai ou sendo importante representante de empresas como a AVON, NATURA, a HERMES e a SHOPPING MAIS.
5. A formação continuada do professor é algo bastante importante e valorizada pelo governo. Com sorte, você será selecionado para ficar em um grande e luxuoso hotel como o IAT, desfrutar de ótimas instalações e saborear um cardápio variado tudo isso com uma localização privilegiada e com vista para o ma...to.
6. O local de trabalho deve ser evidenciado: o educador, quase sempre, trabalha em escolas-modelo, cujo slogan é a fartura: 'farta' limpeza, 'farta' funcionário, 'farta' material didático, enfim, 'farta' tudo; e por incrível que pareça 'farta' educação.
7. Por fim, você desfrutará de um plano de saúde de ótima qualidade, cuja eficiência é demonstrada nos consultórios psiquiátricos repletos de professores que, ao completarem a idade e o tempo de serviço, já se encontram fatigados pelo trabalho, sugados pelo sistema e em pleno desmoronamento físico além do mental.

Assim, depois de ler essas sete dicas, não perca a oportunidade e não desista:
O nosso lema é:
'PAGUE PARA ENTRAR, REZE PARA SAIR'.
Aos que já se encontram desfrutando desse 'néctar' que é ser professor, nossos parabéns, você é persistente e capaz.
Possivelmente, não terá recompensa aqui na terra, mas é certo que já tenha adquirido lugar privilegiado no céu.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

LÍNGUA AFIADA




CHAMPAHE

   Você pode escrever tanto champanhe quanto champanha. ambas as formas são grafadas no masculino. Portanto ao referir-se a esse belo vinho espumante, escreva o champanhe ou a champanha.
Exemplos:
   Na festa foi servido o legítimo champnhe francês.
   O champanha nacional está tendo boa aceitação.

CHOPE

   A palavra deve ser grafada no singular quanto o sentido for genérico ou quando se referir apenas a um, e não a vários chopes. Tomar um chopes está errado. Você pode, sim, tomar dois chopes.
Exemplo:
   Vamos tomar um chope depois do expediente.

PITU

   Pitu (sem acento) é uma espécie de camarão. A regra gramatical diz que palavra oxítona, precedida de consoante, terminada em 'u' não é acentuada. Logo caju, peru, tatu, chuchu etc. não recebem acento.
   Sim, o nome daquela famosa pinga (PITÚ) leva acento, mas nós não temos nada a ver com isso.
   O correto é PITU.
Exemplo:
   No Nordeste se pesca muito pitu.





  

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

SALOMÃO E A FORMIGA AMOROSA


  

     Conta-se que, um dia, o grande rei Salomão passeava por um lugar retirado, quando passou diante de um formigueiro. Imediatamente todas as formigas vieram aos milhares cumprimentá-lo e asseguram a sua submissão.
    Entretanto, uma delas o ignorou, porque estava ocupada em transportar, grão por grão um enorme monte de areia que estava em seu caminho.
     Espantado com o que via, Salomão mandou chamá-la e lhe disse:
     _ Ó pequena formiga, você jamais vai conseguir fazer essa montanha de areia desaparecer. Esse encargo que você assumiu não está à altura de suas forças.
     A formiga fez uma reverência, mas retrucou:
     _ Ó grande rei, não se deixe impressionar pelo meu tamanho. Só a minha paixão e meu amor é que contam. Uma formiga me fez cair na armadilha de seu encanto e depois foi embora, dizendo-me: "Se você remover esse monte de areia, farei desaparecer o obstáculo que nos separa". Assim vou me dedicar a essa tarefa até o meu último suspiro. E se eu tiver de perder a vida, morrerei ao menos na esperança de juntar-me a ela. Ó rei, aprenda de uma miserável formiga o que é a força do amor, aprenda de um cego o segredo da visão...
                                            
                                    Segundo uma parábola do poeta persa ATTAR (1150-1220)

     Somos todos parecidos com essa formiga, tão miseráveis, tão minúsculos. Mas se formos animados por um grande propósito, por um belo ideal ou por um grande amor, podemos remover montanhas.
     Esta parábola parece acrescentar que o importante não é o fim, mas a esperança, a aspiração (seja ela política, amorosa, artística ou divina).
     Qual é a sua inspiração?
     Que montanha você gostaria de remover?
     Já começou?

                                                                 Do livro: Fábulas Filosóficas













sábado, 17 de setembro de 2011

FEIRA DE SANTANA: 178 ANOS DE EMANCIPAÇÃO



SALVE TERRA, FORMOSA E BENDITA
PARAÍSO COM NOME DE FEIRA

   Feira de Santana, como qualquer outra cidade, tem gritantes problemas. Apesar de ter passado para a categoria de metrópole, notamos ainda inúmeras falhas em vários setores, mas não conheço nem nunca ouvi falar de uma cidade tão acolhedora como essa.
   Nascida em Ipiaú, Cheguei  a essa terra quando tinha doze anos. Aqui conheci meu amor, casei com um filho daqui, constituí família, concluí meus estudos e exerço minha profissão.
   Sou apenas mas uma forasteira, entre tantos outros habitantes, que presenciou o seu rápido crescimento.
   Se for fazer uma estatística, a maioria dos habitantes é de outras cidades porém todos elegeram-na como sua terra natal.
   Terra boa de viver, próspera e altaneira.
PARABÉNS, FERA DE SANTANA!   

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

A PALAVRA


  
 Um dia, um pescador que veio estender sua rede na praia, encontrou um crãnio seco na areia. Querendo brincar, dirigiu-se ao crânio e perguntou:
   - Diga uma coisa, Crânio, quem trouxe você até aqui?
   Qual não foi sua surpresa, quando ouviu o crânio responder:
   - A palavra!
   Imediatamente, o pescador correu até a aldeia, entrou na casa do seu rei e contou o acontecido.
   - Um crânio que fala! - exclamou o rei. - Você tem certeza do que está me contando?
   - Tanta certeza como a de estar diante do senhor e falar com o senhor.
   - Cuidao, homem - disse-lhe o rei. Se você me contou uma besteira, ai de sua cabeça!
   E, em solene cortejo, ele foi até a praia para ver aquela varavilha.
   Quando chegaram diante do crânio, o homem repetiu com uma ponta de orgulho:
    - Diga aí, Crânio, quem lhe trouxe até aqui?
   Mas desta vez, nada! Silêncio! O crânio não respondeu.
   Então o rei puxou a sua espada e decapitou o pescador na hora. Depois, voltou para a aldeia com seu cortejo.
   Quando o rei foi embora o crânio se voltou para a cabeça recém-decepada e perguntou:
   - Agora, me diga quem lhe trouxe aqui para perto de mim?
   - A palavra - respondeu a cabeça, desiludida.
                                                   
                                                                               Conto africano
 DISCUTINDO O TEXTO:

   A satisfação de tagarelar leva, aqui, à decapitação.
   É claro que isso é um excesso. Entretanto, como em todos os contos, é preciso que ele trnsmita uma mensagem simbólica destinada a nos chamar a atenção sobre o perigo de falar sem pensar.
Que lição você tira desta história?
Quando devemos falar, quando devemos ficar calados?

   Extraído do livro Fábulas Filosóficas